COMPARECIMENTO

 

Compareço

do leito ou da pedra,

com pólvora em todos os sentidos.

Compareço:

gatilho na ponta dos gestos,

em fogo e bala, à espreita.

Compareço e me vou.

Aceitei por condição.

Não oculto

as linhas de loucura

que me lutam.

Rebento em pleno voo.

Aqui estou

por própria culpa.

Possuo o desespero

residente

naquilo que construo.

Não recuo

dos deuses. Enfrento

o seu semblante

satisfeito,

rejeito

a luz e o erro,

com a mesma carnação

e o mesmo jeito.

E se a recusa vier de vossa parte,

vivo em metade,

vivo separado.

Não pretendo ser salvo.

Vivo explosivo, áspero,

mas vivo.

E sou meu próprio alvo.

 

 

Carlos Nejar

 

 

Deseja receber os próximos textos? Cadastre seu e-mail.